2 de setembro de 2012

É a vida.

Enquanto via, ainda há pouco, uma reportagem sobre a submersão do santuário de Santo Antão da Barca, em Alfândega da Fé e ao mesmo tempo ouvia as opiniões dos fiéis lembrava-me da bonomia das gentes deste país. Bonomia? Talvez a palavra simplório se aplique melhor ao feitio daquela boa população que entre mudar o lugar do santuário e ter água à farta junto à porta, ficava como um tolinho no meio da ponte sem saber para onde ir. Um convicto romeiro optava pela água, segundo ele para regar - ainda que não haja braços para o fazer, nem campos cultivados que recebam o precioso líquido...
Depois sucediam-se as costumeiras expressões: "é a vida", "tem que ser", "o que se há-de fazer?"... e um riso ou sorriso selavam o contrato praticado entre o poder, longínquo e abstracto, e o povinho, simplório mas sempre alegre, não obstante o fado ou fardo, pesados, que sempre recebe.
É tão fácil governar um povo assim, macambúzio e inerte. Basta comunicar-lhes que em troca de água de que não precisam mudarão o pouso do santo, posto ali há séculos. Uma devota, tratando-o como um pedaço de madeira disse que ele não fala e outra acrescenta que vai para o onde o levarem, sem se dar conta que ela também vai para onde a mandarem e, como o taumaturgo, sem tugir nem mugir.
Há muitos séculos que o progresso de obras vistosas e grandes é ouro para este país. O tal povinho vem ver a construção, os festejos e a obra pronta. Descobre, depois, que foi enganado. 
Paciência, "é a vida".

Sem comentários:

Enviar um comentário

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.