24 de julho de 2012

Políticos, penicos e cenouras.



Farto-me de conhecer espertinhos. Como a maioria dos meus amigos anda de carro raramente convive com o vulgo e vive, portanto, numa espécie de bolha ultra-dimensional de inocência. Eu não e, para bem ou para o mal, dou todos os dias com os que furam filas, pedincham com mentiras e me tomam por lorpa. Por motivos profissionais, por outro lado, farto-me dos lugares comuns que saem proficuamente da boca de autarcas os quais, no seu pobre alfobre vocabular, vão repetindo palavras e expressões como "progresso sustentável", "viabilidade", "desenvolvimento integrado", etc etc. A maioria exibe o dr. atrás do nome, mas desconfio que grande parte deles nem sabe desdobrar a abreviatura que lhe acompanha o dito. 
O país move-se há séculos ao sabor do clientelismo e da espertice. Não é Paulo Morais (perdão, dr. Paulo Morais) que nos vem dar a notícia. Mercês, benesses e prebendas são a tal economia paralela que caracteriza a nossa História. O toma-lá-dá-cá, mais ou menos regulamentado, tem definido a nossa política e as nossas finanças. Há 300 anos a coisa ainda funcionava relativamente bem, pois os beneficiados eram, geralmente nobres e clérigos, que a ilustração e a riqueza freavam a cobiça e inibiam a inaptidão. Com o liberalismo, a situação desbancou. A ideia da igualdade, que Camilo Castelo Branco tão bem pintou no romance Agulha num palheiro, possibilitou que medíocres tomassem o poder com base na premissa de que todos têm as mesmas oportunidades e de que, se os melhores e inteligentes também podem, os patetas e os burros devem poder calçar os mesmos sapatos. As cavalgaduras descalçaram, então, as ferraduras e puseram pantufas para desfilar pelos salões dos ministérios e lugares públicos.
Até ao século XX ainda houve quem se pusessem em bicos nos pés, na estrebaria alcatifada, mas vinda a 1.ª e a 2.ª repúblicas, as fornadas de políticos de carreira ou carreiristas tomaram de assalto o país. Primeiro a fidelidade ao regime, para assegurar que não voltasse a acontecer a adesivagem em massa após o 5-X e depois a lealdade ao partido e ao marcaram a governação até aos nossos dias. Entre todos um fio condutor: a qualidade de bacharel ou doutor, que elevou muito pateta à qualidade de respeitável pateta. Ultimamente a classe política partidária tem-se desleixado. À força de fazer omoletes sem ovos, usa logo as galinhas, com penas e patas, de que o caso da licenciatura de Miguel Relvas é exemplo maior.
Relvas é um daqueles respeitáveis zés-ninguém que a política arrebata para fazer dele um estimado respeitável bacharel ou doutor. À semelhança do chefe de partido, Pedro Passos Coelho, a única coisa que sabe é onde deve chegar. E lá chegará. Pelo caminho faz de tudo. Julgando que as ferraduras não mais pisarão estrume, vai caminhando pata ante pata até tropeçar num penico - mais ou menos o que aconteceu com a fast-licenciatura deste esperto. A trupe vem defendê-lo, dizendo que é legal, embora tenha dúvidas quanto à moralidade do acto. A moralidade é como o penico virado, limpa-se o dejecto, passa-se um perfume para disfarçar o mau cheiro e está a carpete salva.
Pergunta e responde (que os tempos não são de dúvidas) um dos colegas de estrebaria: para que servem os partidos políticos: Os partidos políticos exercem uma função estruturante no processo de construção democrático. Esta capacidade de falar sem dizer é uma característica desta espécie, reminiscência da sua anterior condição de pateta. O sr. Pedro Alves (perdão dr. Pedro Alves) sabe tanto como eu, que os partidos políticos servem nos dias de hoje, para lhe pagar o ordenado, manter actualizado o prontuário de lugares comuns e gastar dinheiro a substituir penicos por sanitas, na esperança que as desastradas cavalgaduras não as derribem. Ao contrários dos ratos de biblioteca, que segundo o dr. Duarte Marques não conhecem a realidade do mundo, as cavalgaduras formadas na escola da vida são os arautos da experiência, verdadeiros salvadores da pátria, como o dr. Miguel Relvas, cuja experiência se norteou sempre pela busca do conhecimento.
No fundo Miguel Relvas é um vítima; vítima de uma cabala (expressão notavelmente bem empregue) e vítima da sua inocência - inocência tão declarada e óbvia que nunca o levou a pensar como se safaria com a manigância quando fosse ministro vigiado 24h por dia pelos media e pelos bufos. Coitado. É triste vê-lo sofrer as ferretadas da opinião pública, que adora chafurdar na parvoíce dos parvos. Felizmente que, como tudo o que faz rir, resultará em choro e o dr. Miguel poderá voltar a usar do respeitador título. E no entretanto, dá-se uns murros na mesa, para aplacar os deuses amofinados.
Que se lixem as eleições! profere, rindo, Pedro Passos Coelho. Soa estranho que passados tantos anos alguém, num inusitado momento de alucinação ache importante referir que o que interessa não é a cenoura, mas a terra que a produz e quem nela trabalha. Mas, num país onde a maioria anda de quatro, é difícil observar de longe o que se vê sempre de tão perto.

Sem comentários:

Enviar um comentário

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.