10 de maio de 2010

A ler:

Entrevista de José Mattoso ao Diário de Notícias (3-4-2010)

[...]
Quando investigou Afonso Henriques, criou a dúvida sobre se o seu nascimento acontecera mesmo em Guimarães ou Viseu.

Não fiz uma investigação pessoal, antes aceitei a tese do historiador Almeida Fernandes e limitei-me a dizer que seria a tese mais segura. No entanto, acabei por concluir que não era tão segura como pensava e considero que é necessário voltar a examinar a questão se ela nos interessar mesmo. Dei essa opinião na biografia sobre Afonso Henriques sem pensar que iria constituir uma base para uma polémica e quando realizaram o congresso invocaram a minha opinião. Parece-me, no entanto, que esta polémica sobre a terra onde o rei nasceu é excessiva, por-que questiono qual é a importância exacta sobre se a terra natal do nascimento do rei é Guimarães ou Viseu? Do ponto de vista histórico, é praticamente nenhum, porque o rei não fez a sua vida em nenhum destes lugares, mas em Coimbra e a partir desta cidade.

Mas foi uma dúvida [o local] que causou bastante polémica.

Concordo, mas não se verifica por razões históricas, mas de rivalidade paroquial entre duas cidades. Diria que é uma espécie de manifestação de incultura histórica.

[...]

Depois de ter sido monge beneditino, como está a sua fé?

Vai bem, obrigado.O mundo assiste a grandes quebras na fé e ao aparecer de outras. São solução para os crentes?Se está a perguntar o que acho da difusão das seitas, ou da influência do pensamento oriental, budista ou islâmico, acho que isso pode provocar em Portugal uma fragmentação quando comparado com a situação de unanimidade que existia antes de 25 de Abril. Mas essa profusão tem aspectos positivos, e um deles, com passos insuficientes mas muito importantes, é o do diálogo entre religiões. Agora, que uma religião proponha aos seus fiéis matar os adversários em nome de Deus é uma blasfémia e um insulto à noção de Deus. A fé verdadeira em Deus é incompatível com a guerra religiosa. É por isso que o trabalho do diálogo entre religiões é importante, até porque as religiões são um factor muito importante para a paz no mundo. Se até aqui foram um factor de luta e de guerra, actualmente é inconcebível devido à própria base da religião que afirma que Deus não pode matar ou mandar matar por razão nenhuma.[...]

O resto, aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.