26 de janeiro de 2010

"Que a vergonha é isto"




“Vejo que o crime político é sempre fascista, que quando a Esquerda mata dialoga com o fascismo e com mais ninguém, absolutamente mais ninguém, que a liquidação da vida é um jogo fascista como o tiro aos pombos e que isto passa-se entre eles, entre assassinos. Vejo que o crime, seja ele qual for, releva da estupidez essencial do mundo, a da força, da arma, e que a maior dos povos temem e veneram esta estupidez como o próprio poder. Que a vergonha é isto.”

DURAS, Marguerite – Verão 80. Lisboa: Livros do Brasil, 1990, p. 23

1 comentário:

  1. SUPREMA IRONIA

    À memória de Aquilino Ribeiro

    Mestre do estilo e do vocabulário
    da língua de Camões na voz do povo,
    aqui me tens a escrever de novo,
    passado que já foi teu centenário.

    Só para te dizer que está provado
    que nada tens a ver, posta a questão,
    com o crime hediondo e sem razão
    contra o Monarca e Filho perpetrado.

    Descansa em paz com tua consciência
    no Panteão para onde te levaram
    por mérito da tua inteligência|

    Ironia da História!... Quem cedeu
    as armas cujas balas os mataram
    foi nada menos que um parente seu!

    JOÃO DE CASTRO NUNES

    ResponderEliminar

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.