10 de janeiro de 2010

Hua das cousas (discreto & curioso lector) que me pareceo ser muy necessaria & conveniente a toda pessoa que escreve, saber bem guardar a ortographia, ponde em seu lugar as letras & e os accentos necessarios que se requerem no discurso das escripturas. E por que nesta parte os mais dos Portugueses são muy estragados e viciosos, & com innmueraveis erros que cometem, corrompem a verdadeira pronunciação desta nossa linguagem Portuguesa, quis fazer estas regras da ortografia a rogo de alguns amigos [...]

GANDAVO, Pero de Magalhães, ?-1579
Regras que ensinam a maneira de escreuer a orthographia da lingua portuguesa : com hum Dialogo que adiante se segue em defensam da mesma lingua / autor Pero de Magalhães de Gandauo. - Em Lisboa : na officina de Antonio Gonsaluez, 1574 (disponível integralmente aqui)


O que teria a dizer Pero de Magalhães Gândavo sobre o actual estado da nossa ortografia?

4 comentários:

  1. DE MAL... A PIOR!

    Na maneira de escrever
    o idioma de Camões
    cada qual faz como quer,
    anda tudo aos tropeções.

    Por mais que nesta matéria
    se pretenda legislar,
    é sempre a mesma miséria
    com tendência a se agravar.

    Já tanta vez se alteraram
    as normas da ortografia
    que os espíritos passaram
    a ver nela... uma utopia!

    JCN

    ResponderEliminar
  2. Se há quem escreva "tolisses"
    com dois esses, não com cê,
    eu não vejo bem por quê
    não se adopte a forma "Ulices"!

    JCN

    ResponderEliminar
  3. A mal amada ortografia...
    deve ser tratada em PORTUGAL
    em uma qualquer
    Biblioteca Municipal de"entortografia"!!!

    SALVE-SE quem ainda puder!

    ABRAÇO NUNO

    ResponderEliminar
  4. ESTIGMA

    Que propensão a escrever
    de qualquer modo que seja
    como nos apetecer
    ou conforme se deseja!

    Isto só se verifica
    no idioma português
    por impulso de genica
    ou de feitio talvez.

    Nóa somos, como é sabido,
    rebeldes por natureza:
    por isso não faz sentido
    nossamente termos presa.

    Cada qual faz para si
    a lei que mais lhe convém:
    assim foi que eu aprendi
    com minha gente também.

    Embora dito por graça,
    não deixo de concordar
    que nisto assenta a desgraça
    deste povo à beira-mar.

    Se fosse mais ordenado,
    o nosso povo seria
    porventura o mais dotado
    em questões de mais-valia.

    Mas foi assim que nascemos
    e portanto em nossa casa
    vivemos como queremos
    ao calor da nossa brasa.

    Esceva pois cada qual
    como souber ou quiser,
    que daí não lhe vem mal
    se outro crime não fizer!

    JCN

    ResponderEliminar

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.