5 de outubro de 2009

O idealismo da República Portuguesa!




«Em nome da ascendência branca, os governos republicanos chegaram mesmo a dar cobertura à prática das maiores atrocidades alguma vez cometidas pelos portugueses em África. São elucidativos a esse respeito os relatos recentemente revelados sobre a campanha militar no sul de Angola em 1915, durante a qual o exército português avançou com ordens superiores para exterminar toda a população local, incluindo velhos, mulheres e crianças. Ora, quando esta bárbara política de genocídio foi discutida numa sessão secreta do parlamento, em 1917, o chefe do governo e líder do PRP [Partido Republicano Português], Afonso Costa, teve estômago para a defender, argumentando que «não nos deixamos mover por idealismos nem esqueçamos os conceitos e impressão dos pretos perante respeitos humanitários que ele[s] considera[m] como fraqueza ou pusilinâmidade». [citação extraída de MIRA, Ana (ed.), Actas das sessões secretas da Câmara dos Deputados e do Senado da República sobre a participação de Portugal na I Grane Guerra, Porto: ed. Afrontamento, 2002, pp. 115 e 148-53].

Rui Ramos, «O dia dos equívocos», 2004.

2 comentários:

  1. VERGONHOSO simplesmente VERGONHOSO! mas há quem
    comemore...

    ResponderEliminar
  2. Tenho pena de vós...

    ResponderEliminar

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.