29 de setembro de 2009

Uma lembrança aos menos instruídos.

Eu gostava de lembrar aos Ateus que foi preciso recorrer a um Papa para garantir a existência de Portugal. E embora os tempos sejam outros, o documento, chamado Bula Manifestis Probatum, lavrado em 1179, ainda é um dos tesouros dos nossos Arquivos Nacionais. Mas , oque digo eu? É que Católico só o é quem quer; parece, contudo, que os Ateus, na sua sanha mobilizadora (não muito afastada de uma certa catequese) exigem o requisito da estupidez para acesso à seita. A visita de um Papa não só é um assunto de Estado, como um acontecimento da maior importância a nível diplomático. Para Católicos ou não Católicos.

2 comentários:

  1. Esses tipos o que querem é tempo de antena e notoriedade na comunicação social. Estão-se borrifando para Portugal e para os seus valores culturais e religiosos.
    Pena é que certa comunicação social caia na esparrela ao dar-lhes tanta importância.
    Se são ateus convictos, estão no seu direito,e respeito-os, mas, por coerência, não se imiscuam, então em assuntos que não lhes dizem respeito.
    José Cerca

    ResponderEliminar
  2. Completamente de acordo. O modus operandi desta gente é falar antes de pensar, pois se medissem as palavras com certeza não diziam metade dos disparates que dizem.

    ResponderEliminar

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.