17 de julho de 2009

Já corrompeu ou foi corrompido, hoje?


O que você tem a ver com a corrupção? Um filme para as consciências (Brasil)

"Administração Pública muito permeável à corrupção". O tema percorre as notícias de jornais e de estudos de tempos a tempos. Discute-se, avalia-se a posição de Portugal em relação a outros países, em suma: um "costume", um "hábito social". Pacheco Pereira chamou-lhe o lubrificante da sociedade portuguesa - ao que eu acrescentaria um lubrificante que induz à desaceleração da máquina económica, produtiva e funcional. Porquê? Embora não estejamos habituados a associar a vulgar "cunha" à corrupção, esta pode ser uma das principais causas do atraso económico e social deste país ao admitir em lugares que exigiam mérito, indivíduos medíocres e com pouca formação que só lá chegaram por serem amigos de A ou B. E por isso o país vive, alegremente, à conta da "cunha". É natural. É daqueles alimentos que se come da mesma gamela. E enquanto a gamela estiver sempre cheia e der para uma maioria, esvaziá-la vai ser difícil, pois ninguém quererá morder a mão que o alimenta. Por todo o lado, a cunha, a conveniência, o clientelismo primário tem efeitos: colocações de novos funcionários públicos, aceleração ou desaceleração de projectos urbanísticos e arquitectónicos, etc. E agora que a educação passa para as mãos dos municípios o perigo de monopolização e manipulação das consciências é maior: "dou-te emprego se..." "arriscas-te a perder o emprego se..." O "se" é sempre a lógica partidária, é o tal lubrificante que faz mover a República Portuguesa. A mudança tem de partir que baixo. Tem que partir dos desempregados que o estão por terem sido preteridos por um amigo do vereador ou do presidente da câmara. Já me ofereceram emprego em troca de silêncio ou de um cartão partidário. Recusei, e é mesmo provável que um dia morra à fome enquanto ao meu lado, um rotundo gordo, medíocre e idiota, ensina, governa ou gere à conta de um percurso académico mais pobre do que o meu. Uma coisa é certa, posso ir para a sepultura esfomeado, mas não sem dar luta.

3 comentários:

  1. Nuno o vídeo é muito oportuno, bem concebido e catequisante, se quisermos mas...as consciências adormecidas egoísticamente olhando para o seu umbigo, enraízaram de tal ordem que...acordá-las será quase impossível.Usar uma desinfestação de cérebros, converter pela pregação e morrer de novo em Cristo será a solução? ou mudamos ou muda-se o mundo para a mesosfera...ficando ali a
    rodar eternamente...a história frustrada da humanidade...

    ABRAÇO

    ResponderEliminar
  2. Helena,
    Não partilho dessa visão pessimista. Se queremos mudamos, ponto. Se um quiser mudar, pode influenciar 7, segundo as leis da psicologia e da propaganda. Acha assim tão difícil? Andamos todos a infectar-nos com gripe A a uma velocidade estonteante. Se nos infectássemos com honestidade ao mesmo ritmo seríamos um país melhor.

    ResponderEliminar
  3. De acordo NUNO, alguns de nós muda e multiplica mas não suficientemente logo e em número para ocorrer a mudança necessãria, conheçe a vacinação ao ritmo da cura? por isso usei o nome de Cristo mas não em vão...não me refiro de novo a uma Crucificação mas a uma catequisação do espírito a uma devoção humana pela VIDA!

    ABRAÇO

    ResponderEliminar

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.