16 de abril de 2009

Conselho do dia para todos os dias: o elogio da moderação e do silêncio.

"O pior e mais danoso membro, que há no homem é a língua. Nenhuma coisa há mais branda, nem mais áspera, nenhuma mais aparelhada para danar, nem mais dificultosa de refrear. Muitos bens e muitos males nos veio da língua. Portanto pedia David a Deus, que pusesse guarda na sua boca, que ferrolhasse seus beiços, pera que não soltasse mais palavras. É o homem templo de Deus, cuja porta é a boca, que convém estar trancada para não ser roubado o tesouro da moderação de sua língua. Deve-se esconder, e guardar a língua como tesouro, e por isso acercou Deus de beiços, e dentes, como valos e muros, que a segurassem. O muito falar é lodo, e o pouco é ouro. Fala derradeiro e entende primeiro; fala pouco e bem, e ter-te-ão por alguém. O sábio falando se faz néscio, e o néscio calando se faz sábio." Frei Amador de Arrais, Diálogos, I.