15 de novembro de 2008

O declínio de Portugal

(para ler clique sobre a imagem)

The decline of Portugal: a retrospective é o título de uma reportagem feita por um correspondente do Jornal The Times, sobre a mudança de regime. O artigo, datado do dia 6 de Outubro de 1910, faz uma análise breve do período entre a Restauração e a queda da Monarquia. Embora o autor olhe de forma paternalista a sociedade e como esta foi gerida ao longo de pouco menos de 4 séculos (por governos instáveis), o certo é que a leitura do artigo nos deixa impressa a imagem de um país corrupto e de oportunistas. Como o próprio título indica a voragem do declínio só podia resultar no aproveitamento da corrupção (rotativismo e as suas consequências) pelos oportunistas (partido republicano). O final do artigo é, aliás, bem expressivo do estado a que o país chegara em 1910: Qual seja o futuro, tanto para a Casa de Bragança como para Portugal, é impossível de adivinhar dada o momento crítico. Ele pode ser de esperança - esperamos, no entanto que qualquer que seja a última forma de governo, o povo em geral tenha aprendido a lição: que nenhum sistema de governo pode escapar ao desastre quando os instrumentos através dos quais ele funciona estão podres com a corrupção *. Bom, o regime mudou e, em quase 100 anos o povo nada aprendeu.
*What the future may hold in store, alike for the House of Braganza and Por Portugal, it is impossible even to guess at such a juncture. It may at least be hope that, however the ultimate form of government, the nation at large wil have learned its lesson - that no system of government can escape disaster when the instruments through which it works are rotten with corruption.

5 comentários:

  1. Demais, um artigo que surpreende, por ser escrito, embora por um Historiador,distanciado na idade, de l9l0,que se vê na obrigação de alertar, para a realidade do País corrupto e estagnado que persiste... ainda à imagem e a prática do que aconteceu com o Regicídio...Os alicerces são ainda os muros que urge serem derrubados...

    ResponderEliminar
  2. É tempo de começarmos a aquecer os motores para 2010. A república tem de fazer um exame de consciência. A melhor forma de assinalar o século seria aceitar ser escrutinada pelo seu povo. Para bem ou para mal. Mas escrutinada. O que nunca foi nem tem permitido que seja.
    Recordemos-lhe, portanto, que está prenhe de pecado e carente de sentido democrático.

    ResponderEliminar
  3. Meus caros amigos Helena e Viajante,
    Assim é de facto. Não se tratar de julgar a História, trata-se tão-só de compreendê-la e atribuir-lhe o sentido necessário para que não seja, apenas, um livro da prateleira. A República está, como diz e bem o Viajante, prenhe de pecado e carente de sentido democrático. Admiti-lo seria um começo: que melhor maneira do que fazê-lo via plebiscito?
    Um abraço a ambos

    ResponderEliminar
  4. Um plebiscito que teria de ser antecedido por uma larga prática informativa, dados os muitos preconceitos plantados durante tanto tempo.

    ResponderEliminar
  5. Por ignorância da História , do que se passou e se repete ciclicamente, talvez tenhamos chegado aqui , a este momento, do presente. Os Governos , este Governo soma e segue indiferente e alegremente "nas nuvens" , não desce à realidade das gentes.
    Grande abraço, meu amigo... tenho que voltar mais regularmente, não tarda vou ter mais tempo...

    ResponderEliminar

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.