18 de novembro de 2008

Do Minho a Timor: o acordo ortográfico.

Portugal Insular e Ultramarino
Editora Educação Nacional, 1939

1 comentário:

  1. Bem pode o Senhor Ministro da Cultura o Senhor Invisível aceitar o acordo ortogáfico, depressinha...para ele deve ser mais çedilha menos acento circunflexo mais atual mais ato até...pois para quem não ata nem desata sequer uma recusa de acôrdo...ao menos para mostrar serviço...concordar é tudo!

    ResponderEliminar

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.