2 de junho de 2008

Camilo Castelo Branco (1825-1890)

N.R. (c) Seide, 1998




“Sou o cadáver representante dum nome que teve alguma reputação gloriosa neste país, durante quarenta anos de trabalho… Chamo-me Camilo Castelo Branco e estou cego”.


Passaram ontem cento e dezoito ano sobre o suicídio de Camilo. Na foto, a casa de São Miguel de Seide, onde fui pela primeira vez em 1998, quando estudava em Braga. É um dos locais mais belos, mais calmos e mais especiais que conheço em todo o Minho. Escrevinha lá o espírito de Camilo e o único som que se ouve é o do atrito da sua pena sobre o papel. A morte do escritor sucede pouco tempo depois do Ultimatum Inglês - vejo-a como uma morte ritual, simbólica, depois de um lento agonizar de um lento fechar de olhos. Camilo Castelo Branco acabou com a sua vida a 1 de Junho de 1890. Esse ano foi também o início do fim de uma ideia de Portugal.

1 comentário:

  1. Tu e o Camilo...
    A propósito, quem é esse, algum jogador transferido para o Inter?

    Se ainda não apareceu nas "Tardes da Júlia" é sinal que não é importante. Dizes que ele escreve, é para a TVmais ou para a TV7dias?

    ResponderEliminar

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.