12 de dezembro de 2007

Rentabilizar o investimento ou Portugal a retalho.

Pocinho (2005) (C) N.R.


"A organização das finanças são as estradas, os caminhos de ferro, o desenvolvimento do comércio, das artes e das indústrias".

Fontes Pereira de Melo (1865)

"Desaparece uma linha de caminho de ferro, mas o comboio teve a sua época e o seu tempo. Em regiões com pouca gente e uma grande extensão de território a ferrovia não é viável, pois não há passageiros nem mercadorias capazes de rentabilizar o investimento."

Mota Andrade, deputado de Bragança pelo Partido Socialista (2007)


E houve quem morresse pelo caminho-de-ferro...

3 comentários:

  1. Então o meu Amigo abriu aqui as portas da sua casa??? E não dizia nada???

    As pessoas vivem agora - ou terá sido sempre assim??? - um momento de esvaziar a vida passada... que seriam os povos, que seríamos nós sem esse passado???

    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  2. Pois foi, Amiga. Abri as portas de uma casa mais arrumada, mais cheia de claridade. É bom, quando deixamos fardos para trás e viajamos leves.
    Um abraço de viagem em pensamento até à Guarda!

    ResponderEliminar
  3. caríssimo!! já outro dia vi esta mensagem e tive vontade de responder... mas só agora é q tive disponibilidade mental!!

    não sei se conheces o projecto espanho das «VIAS VERDES» consiste na reutilização de linhas ferreas abandonadas para peões ou veiculos não motorizados, é muito interessante e está a ter imenso sucesso pois bem sabes o quanto os nuestros hermanos gostam da passeata, e usam mesmo estes novos percursos, q claro, passam por pontes, túneis e demais obras de arte que as antigas linhas ferreas incluiam!!

    já q s foram os comboios ao menos podiamos aproveitar os seus caminhos q aqui por Bragança são belissimos!!

    um abraço e boas entradas!!

    ResponderEliminar

A Democracia exige Responsabilidade individual. Nicks, anónimos ou mensagens insultuosas demonstram faltam de auto-estima, comportamentos associais e incapacidade de lidar com a opinião alheia e, como tal, não serão publicados.